Quais são os investimentos isentos de IR?

Quem gosta de pagar tributos? Por conta disso, o principal motivo para os investidores procurarem investimentos isentos do Imposto de Renda é a sobra de lucro, uma vez que, caso ocorra a incidência do tributo, o rendimento é prejudicado.

Abaixo, listo sete modalidades de investimento – além da poupança – que são isentos de imposto de renda. Cada um com suas características e seus riscos, que devem ser analisados por cada investidor.

Letra de Crédito Imobiliário (LCI)
A LCI é um título de renda fixa que capta recursos para o financiamento do mercado imobiliário. Funciona como um empréstimo que um investidor concede a uma determinada instituição financeira.

Em contrapartida, esta instituição “credora” beneficiará o investidor com um pagamento de um determinado percentual de juros no momento da contratação, geralmente é um percentual sobre o CDI, mas também pode ser uma uma parcela fixa mais a variação do IPCA ou até prefixada.

Por ser uma área importante para o governo federal, é concedido a isenção de IR para a pessoa física. Além disso, as LCIs são protegidas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Atualmente, o órgão garante a proteção do seu dinheiro, até o limite máximo de R$ 250.000,00 por CPF. Porém, não custa nada checar a saúde financeira da instituição na qual você irá “emprestar” o seu dinheiro.

Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)
A LCA é titulo de renda fixa bem parecida com o LCI. A diferença que ao invés de captar recursos para o setor imobiliário, a LCA capta recursos destinados para o financiamento das atividades ligadas ao agronegócio.

Por conta disso, a LCA também remunera os investidores através de juros, calculados, em sua maioria, sobre um percentual do CDI, mas também pode ser prefixada ou uma parcela fixa mais a variação do IPCA.

A LCA conta com o Fundo Garantidor de Crédito, nos mesmos termos da LCI. E não custa lembrar que também é importante conferir a saúde financeira da instituição na qual você irá “emprestar” o seu dinheiro.

Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI)
O CRI é um título que gera direitos de crédito ao investidor. Do ponto de vista do emissor, é um instrumento de captação de recursos destinados a financiar transações do mercado imobiliário, lastreado em créditos imobiliários, tais como: financiamentos residenciais, comerciais, construções ou contratos de alugueis de longo prazo.

Esse ativo é emitido por instituições específicas, denominadas de Companhias Securitizadoras, que têm como função a emissão, administração, cobrança e pagamento desses ativos financeiros.

Em contrapartida, o CRI não possui a garantia do FGC. Por conta disso, antes de investir nesta modalidade é importante conferir e analisar o Rating (uma espécie de ranking com informações sobre o risco de investimento de cada empresa) ou avaliações realizadas por empresas especializadas.

Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA)
São títulos de renda fixa lastreados em recebíveis originados de negócios no âmbito rural, seja elas entre produtores rurais ou cooperativas, abrangendo financiamentos ou empréstimos relacionados à produção, à comercialização, ao beneficiamento ou à industrialização de produtos, insumos agropecuários ou máquinas e implementos utilizados na produção agropecuária.

Assim como no CRI, também não há a garantia do FGC. Porém, é importante conferir e analisar o rating e a classificação das agências de avaliação de risco da empresa na qual você investiria.

Debêntures Incentivadas
É um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor, que têm como objetivo captar recursos financeiros para alavancar o seu próprio crescimento. Por conta disso, ao adquirir um desses títulos, o investidor passa a ser um credor da organização, tendo direito de receber juros sobre o capital aplicado.

As debêntures incentivadas são títulos emitidos por empresas envolvidas nos projetos de infraestrutura no país. Assim como nas CRIs e CRAs, estes investimentos não têm a garantia do FGC. Entretanto, possuem as classificações de Rating para avaliar e medir os riscos envolvidos.

Ações
O mercado acionário também é isento de imposto de renda. No entanto, para garantir a isenção, é necessário que a soma de todas as ações vendidas em um único mês tenha um valor inferior a R$ 20.000,00 – o daytrade não conta com este benefício.

Caso ultrapasse esse limite, o investidor deverá pagar 15% do montante total, a título de contribuição para o Imposto de Renda. Vale lembrar que os dividendos distribuídos não poderão compor a base de cálculo para apuração do tributo, uma vez que, a empresa já realizou o pagamento do IRPJ antes de realizar a distribuição de lucros aos seus acionistas.

Fundos Imobiliários
Diferentemente do recebimento do aluguel de um imóvel que é tributado 27,5% do montante pago pelo inquilino, o recebimento do aluguel, via fundos imobiliários, é isento de IR.

Por conta disso, o investimento em fundos imobiliários é interessante, uma vez que, o investidor poderá ser dono de uma fatia de grandes empreendimentos, receber um percentual dos alugueis pagos e ainda contar com a isenção do IR.

Para isso ocorrer, é essencial que o fundo respeite determinadas regras e condições, como: o número mínimo de cotistas; percentual máximo de concentração; e principalmente, estar registrado na bolsa de valores.

Espero que você tenha apreendido um pouco sobre as diferentes modalidades de investimento disponíveis, que contam com a isenção do IR. Qualquer dúvida, é só escrever nos comentários.




– –

12 thoughts on “Quais são os investimentos isentos de IR?

    • janeiro 4, 2018 at 3:07 pm
      Permalink

      Hahaha…
      Bom filme, por sinal!!!

      Com as criptomoedas, o “Estado” não tem controle então é isento… rs!!!

      Incrível, como isso virou febre: passei a virada de ano novo em uma festa e por 2x o assunto foi o troço do bitcoin.
      Bem, deixa para lá…

      Feliz2018

      Abs,
      50segundos

      Reply
      • janeiro 4, 2018 at 4:35 pm
        Permalink

        Nem fale! Estou assustado com as pessoas que estão me perguntando! Muitos não sabem o que é LCI/LCA e já querem saber sobre bitcoin rsrs

        Dá medo!

        Reply
        • janeiro 4, 2018 at 9:50 pm
          Permalink

          Concordo, II…
          Não sabem o que é CDI, mas já sabem o que é bitcoin.

          A princípio, isso é bom, pois mais pessoas – principalmente da geração “milênio” – se interessaram pelo bitcoin (investimento), por causa da “facilidade de ganhar dinheiro”.
          Por outro lado, se vier um revés negativo nesta história toda, pode machucar muita gente.
          E vão dizer que investimento é loteria.
          E assim segue…

          Abs,
          50segundos

          Reply
  • janeiro 4, 2018 at 5:45 pm
    Permalink

    Dessas alternativas de investimentos isentos as únicas que invisto atualmente são ações e FII’s.
    2018 promete! Vamos que vamos!

    Reply
    • janeiro 4, 2018 at 9:34 pm
      Permalink

      Boa, IR…
      Geralmente, as pessoas começam pelo LCI/LCA… depois mais acostumados ao contato dos investimentos se “aventuram” pelas ações e fiis. É cada um!!!
      Atualmente tenho um pouco de cada. Mas as ações e os fiis são os de maiores proporções.
      2018 é o ano. Vamos nessa!!!

      Abs,
      50segundos

      Reply
    • janeiro 4, 2018 at 9:36 pm
      Permalink

      Nossa… que falha grave a minha!!!
      Tem razão!!!
      Vou corrigir!!!

      Abs,
      50segundos

      Reply
  • janeiro 7, 2018 at 6:50 am
    Permalink

    50segundos,

    Seu resumo ficou muito bom.
    Eu não sabia que a tributação de um aluguel é de 27,5%. Bem exagerado, não?
    Ainda bem que os FIIs não são tributados.

    Abraços,

    Reply
    • janeiro 7, 2018 at 7:13 am
      Permalink

      Obrigado, S&H…
      Concordo contigo que é exagerado, sim. Essa tributação equivale para pessoa física. Para jurídica acho que está na faixa entre 13% e 15%.
      Para se ter uma ideia, há pouco tempo, vi uma oportunidade em comprar um imóvel, o cara estava na dívida, precisando se livrar do imóvel e era uma boa oportunidade para alugar, por causa da localização.
      Conta vai e conta vem, e no final percebi que não valeria a pena. O retorno não compensava. Era mais cômodo comprar Fiis, por exemplo. Até por causa das vantagens dos Fiis.

      Por causa disso, acho que uma hora, irá acontecer a tributação dos Fiis. Não sei quando, mas vai acontecer. Será inevitável. Vamos torcer para isso não acontecer!!!

      Abs,
      50segundos

      Reply

Deixe uma resposta