IPO CAML3: boa ou má digestão?

Para quem não conhece, a Camil Alimentos é a empresa que detém as marcas União e Da Barra (açúcar); Coqueiro e Pescador, de enlatados, além de distribuição de grãos de arroz e feijão. A companhia opera no Brasil, Uruguai, Chile e Peru. Possui 29 unidades de processamento e 18 centros de distribuição na América do Sul e exporta para mais de 50 países. E está realizando o IPO com código CAML3.

Ao que tudo indica, a empresa está nos critérios de que precisam ser investida, pois é uma empresa de alimentos – regra básica: todos precisam comer – e ainda é exportadora. Ou seja, está ganhando pontos. Mas vamos aos números divulgados pela empresa:

Captura de Tela 2017-09-14 às 23.41.42

E eles parecem bem satisfatórios. DivLiq / Patrim. Liq = 74% e DivLiq / Ebitda = 1,85 – com potencial para ser uma boa pagadora de dividendos.

Porém, tem alguns detalhes que me chamaram a atenção. Confira no trecho abaixo retirado do prospecto da companhia.

A Companhia ainda está em fase de fechamento das demonstrações financeiras referentes ao semestre encerrado em 31 de agosto de 2017 e pretende publicar estas demonstrações financeiras no mês de outubro. Espera-se que o resultado de suas operações no trimestre encerrado em 31 de agosto de 2017 seja inferior, se comparado ao trimestre encerrado em 31 de maio de 2017. Ademais, a Companhia também espera que o resultado de suas operações no semestre encerrado em 31 de agosto de 2017 seja inferior ao mesmo período no ano de 2016. O resultado das operações em 31 de agosto de 2016 foi positivamente influenciado por (i) altos preços históricos de venda de açúcar no mercado brasileiro, resultante de condições favoráveis no mercado internacional; e (ii) boa performance nas vendas de arroz e feijão. Enquanto que no semestre encerrado em 31 de agosto de 2017, os resultados operacionais da Companhia foram negativamente afetados pelo retorno do preço de venda do açúcar aos padrões de mercado.

Ou seja, os resultados virão ruins. E aqueles bons números que você viu lá em cima parecem que foram eventos não recorrentes. Não tem problema nenhum vir apenas um semestre ruim, faz parte, só não pode ter resultados ruins em vários semestres seguidos. Mas vamos em frente…

Outro ponto, digamos assim, preocupante, é que a Companhia possui 97% de sua dívida bruta vencendo nos próximos 5 anos. E foram emitidos R$ 405 milhões em CRA há dois meses para conseguir amortizar essas dívidas e pretende ofertar mais CRAs à vista ou, quem sabe, emitir novas ações em curto espaço de tempo para conseguir liquidar essas dívidas e não sofrer adiante.

A faixa de preço da oferta do IPO da CAML3 está entre R$ 10,50 e R$ 13,00.

Tomando com base o preço médio do IPO, que seria em R$11,75, a empresa estaria a ser negociada com um P/L de cerca de 22,7 vezes. No meu ponto de vista, um pouco elevado. Só para se ter uma ideia, a M. Dias Branco (MDIA3) está sendo negociada, atualmente, ao redor de 19 vezes.

Considerando o patamar de preço de R$ 11,75, a empresa seria negociada com uma relação P/VP de cerca de 3,6 vezes – número um pouco elevado para quem busca valuation. Para se ter uma ideia, voltando a mesma comparação da MDIA3 também está sendo negociada com esta mesma relação, porém opera com um ROE melhor.

Agora quem decide se quiser participar do IPO é você. É uma empresa que faz parte da cesta básica da população brasileira, caso a economia melhore poderá haver uma melhora operacional, porém atualmente a empresa precisa sanar estas dívidas em um curto espaço de tempo. E aí, quem leva a melhor?

Para quem quiser embarcar no IPO, o período de reserva das ações se encerra no dia 19 de setembro. O início de negociação das ações deverá ocorrer no dia 22 de setembro.




– –

Bonner avisa que a bolsa atinge recorde, mas não é bem assim. Explico…

“A bolsa de valores de São Paulo atingiu hoje o maior nível da história”. Foi assim que o William Bonner leu a cabeça desta reportagem no Jornal Nacional:

Bolsa de Valores de São Paulo atinge maior nível da história: 74 mil pontos

A reportagem mostra que o Ibovespa atingiu o recorde histórico, que era desde 2008. Porém, temos um pequeno equívoco aqui.

Na verdade, o Ibovespa está longe ainda de atingir o recorde histórico, dependendo de outros fatores. O IPCA é um deles e o dólar é outro. Se ajustar o gráfico ajustado pelo IPCA, o Ibovespa está bem distante. Confira só no gráfico abaixo…

Captura de Tela 2017-09-11 às 21.47.17

O gráfico está três semanas desatualizado – peguei emprestado do amigo @Malandro, obrigado! – mas atualmente, o Ibovespa rompeu esta linha indicada. Porém, ainda bem afastada do topo histórico.

Portanto, não caia nesta de recorde. Muita calma. Falta uma escalada longa pela frente.




– –

Um novo capítulo das criptomoedas

Assista ao vídeo abaixo. Fique tranquilo, são só os 15 primeiros segundos.

É ela mesmo. É a Whoopi Goldberg em um comercial sobre o Flooz, do longíquo anos 2000.

Caso não se lembre, tentarei explicar o que era o Flooz.

Como a atriz mesmo diz: “é como se fosse dinheiro”. É, digamos que era uma espécie de dinheiro virtual, que você podia comprar com o seu cartão de crédito – pois é, já se falavam sobre moeda digital naquela época. Porém, para contextualizar o cenário, o Flooz era mais parecido com os “gift-cards” ou “vale-presentes”. Você comprava uma quantidade de Flooz, e com isso você poderia a ir um supermercado ou lojas, como a Tower Records, por exemplo, e adquirir livros, CDs ou DVDs apenas com Flooz – sim, naquela época se vendiam cds e dvds.

Com isso, Flooz tentou estabelecer uma moeda única e digital para os comerciantes da Internet. Foram audaciosos e desta forma, a empresa conseguiu captar US$ 35 milhões no negócio de “gift-cards” ou “dinheiro virtual”. Parece uma insanidade, mas qualquer negócio que no final tinha “.com” foi catapultada ao infinito e além. Não é por acaso, as empresas foram sobreavaliadas ao extremo e ficou conhecida mais tarde como a bolha das “dot.com”.

Pensou em algo semelhante? Então, aonde quero chegar?

Atualmente, estamos vivenciando a euforia das criptomoedas. Máximas de valorização a cada dia. Em cada mês, surge uma nova criptomoeda elevadas a mais alta potência, enfim, considerado o novo Santo Graal dos investimentos. A cada semana, um ICO diferente e com uma proposta revolucionária digital. Do modo de vista, está até bem parecido com o Flooz – o dinheiro virtual dos anos 1999-2000.

O conceito inusitado que eu consigo ver em potencial é apenas o blockchain. Esse sistema sem ter intermediários bancários. Até porque no mundo, cada vez mais estaremos precisando menos de intermediários. Corretores e vendedores que o digam. Mas o blockchain precisa ser testado realmente a sua eficácia.

Voltando ao estouro da bolha “ponto.com”, poucas empresas daquela época sobreviveram e estão aí até hoje para contar história. Mas muitas delas fracassaram, assim como o Flooz. Em 2001, a empresa não resistiu a desconfiança dos usuários, após o FBI investigar um esquema russo de fraude e lavagem de dinheiro. Neste esquema, compraram unidades de Flooz após a clonagem de cartões de créditos dos usuários. Consequentemente, conseguiam comprar e resgataram a quantia em espécie.

O desconfiômetro segue ligado. Mas acredito que vivenciamos uma espécie de remake do “Vale a pena ver de novo” das moedas digitais. E o futuro delas? Podemos até fazer um revival do “Você Decide”, líder de audiência naquela época, mas não resistiu no ano 2000. Enquanto isso, assistiremos as novas máximas ou capítulos da novela dos “gift-cards” ou, se preferir, das criptomoedas.




– –

E as eleições 2018?

Enquanto escrevo este texto, o IBOV atingia os 70mil pontos.

Entretanto, há mais de um ano, mais precisamente, em junho-julho de 2016, escrevia que o IBOV chegaria aos 70mil e estava comprando BOVA11 para aproveitar esta subida. Releia aqui. Confesso que demorou mais que o esperado – sim, o áudio do Joesley prejudicou esta escalada. Porém, de lá para cá, comprei BOVA11 por mais três vezes, aproveitando estas quedas bruscas do índice. Esta semana, vendi 2/3 da minha posição em BOVA11.

“Seu louco? Mas logo agora?”, poderia pensar alguns. Sim, sou diferente dos demais. É bem possível – eu disse possível – que o índice chegue aos 100mil pontos, quiçá, em breve. Mas aí lembrei que daqui a um ano estaremos focado nas eleições.

Acredito que é hora de repensar e analisar as possibilidades dos futuros candidatos.

Teremos volatilidade à vista, pode esperar.

Enquanto tem gente eufórica aí com o rompimento dos 70, começo a desconfiar e a me preparar para os possíveis candidatos.

E o que mais me espanta é que “ninguém” começou a falar da campanha eleitoral – e ela promete.




– –

Vamos falar sobre Bitcoin – a festa está acabando?

Antes de começar, quero esclarecer: comprei bitcoins em meados de 2016, vendi tudo no final do mesmo ano. Estava esperando uma queda maior para comprar mais – obviamente não aconteceu e estou esperando sentado até hoje.

Claro, foi apenas alguns trocados. Nada demais. Com o lucro, comprei ações da Taesa, que estavam com preços atrativos à época.

Depois da minha venda, o bitcoin quadruplicou de valor. Estou triste? Claro que não! Até porque não faço ideia de até onde poderia ir os valores da criptomoeda. Foi uma compra e uma venda especulativa – longe do meu perfil.

Mas alguns fatos me chamaram a atenção:

1) Preocupados com a volatilidade do mercado americano estar nas mínimas, com a iminência de uma guerra EUA-Coreia do Norte e o período de incerteza do Governo Trump, fez com que alguns poucos fundos de investimento comprassem as criptomoedas durante o mês de agosto.

2) Estou recebendo muitos e-mails – em excesso – para que eu me cadastre em cursos, palestras, apostilas e livros tentando explicar o que é o bitcoin. Claro, estão vendendo uma informação para atrair os curiosos de plantão, para entrar na festa também.

3) Um amigo, que sequer sabe o que é CDI, no meio de uma roda de amigos, soltou a seguinte frase: “O que é bitcoin? Dá para ganhar dinheiro com isso?” Fiquei perplexo. E tive um insight. Lembrei na hora da história que antecedeu a crise de 29 pelo Rockfeller. Explico abaixo.

“A história conta que numa manhã de outubro de 1929, o bilionário John Rockefeller, empresário do ramo de petróleo, encontrou seu engraxate como fazia de costume. Enquanto engraxava, o garoto fez o seguinte comentário para Rockefeller: “Senhor, ouvi falar de alguns papeis que irão subir bastante nos próximos dias”. Em estado refletivo, Rockefeller levantou-se, pagou o garoto pelo serviço de engraxate e agradeceu-lhe. Ao voltar ao seu escritório, mandou vender boa parte de suas ações na Bolsa de Valores de Nova York. A justificativa para a atitude foi simples e direta: “Se até o garoto que lustra meus sapatos está sabendo tudo sobre o mercado de ações, então é por que algo muito errado deve estar acontecendo”.

Não confirmo se a história de cima é veredicta. Mas virou uma lenda no mercado financeiro.

Outro caso que me fez refletir foram alguns tuítes que o emprsário Mark Cuban respondeu, após ser sabatinado sobre bitcoins em junho deste ano. Printei as respostas dele, e sabia que um dia, eu iria utilizar.

FullSizeRender-2 FullSizeRender

FullSizeRender-3 FullSizeRender-4

FullSizeRender-5
FullSizeRender-6

FullSizeRender-7FullSizeRender-8

FullSizeRender-9

Claro que todos os investidores de bitcoin fizeram de tudo para que Cuban mudasse de opinião sobre as criptomoedas.

Não sou o dono da verdade. Mas apenas quero deixar algo para você refletir e analisar com calma. #paz




– –

OPA UNIP6 = IPO IRBR3 + OMGE3

Desisti da Unipar Carbocloro.

Para quem ainda não sabe, a Unipar Carbocoloro decidiu realizar o fechamento de capital da empresa, e para isso decidiu colocar o preço abaixo do valor de mercado. Enquanto o valor de mercado de UNIP6, custa algo entre 9,00 e 10,00 e patrimonial por volta dos 15,00. O controlador, com questões bem duvidosas, decidiu colocar o valor da OPA em 7,50. Surreal.

Podem dizer que eu sou inexperiente, amador, que precisava esperar o leilão, pois o preço que o controlador determinou é irrisório. Foi apenas questão de escolha, pois acredito que esse processo vai se arrastar e perdi a total confiança no controlador.

Vendi as ações ao redor de 9,40. Porém, havia comprado, recentemente, há cinco meses por volta dos 7,00. Ok. Mais de 30%. E um dos motivos pelo qual eu havia adquirido as ações era por causa dos dividendos elevados, mas com um controlador que passou a ser duvidoso, prefiro sair fora.

Em contrapartida, o dinheiro destinado da OPA de UNIP6 tem destino para os IPOs de IRB-Brasil Resseguros e de Ômega Geração.

Ambas as empresas terão o pedido de encerramento da reserva no dia 26 de julho de 2017. As ações passam a ser negociadas no dia 31/07.

A IRB-Brasil Resseguros (IRBR3) está na faixa de preço entre R$ 27,24 e 33,65. Com esse patamar, é possível adquirir as ações com um yield, possivelmente, atraente. É uma empresa com potencial de entregar bons dividendos para os acionistas.

Já a Ômega Geração (OMGE3) está no patamar entre R$ 17,00 e 22,00. É uma empresa de energia renovável, com foco nas fontes hidráulica, eólica e solar. Só isso já me cativou – lembra deste post aqui, quem sabe!

Qualquer dúvida, só deixar nos comentários.




– –

Itaúsa – herança para os herdeiros

O destaque da semana foi a Itaúsa (ITSA) junto com o fundo Cambuhy e Brasil Warrant adquirir a totalidade das ações da Alpargatas (ALPA).

O negócio estava em um imbróglio por causa do preço. Enquanto a J&F, dos irmãos Batista, queria vender por um preço maior, a Itaúsa, obviamente, queria comprar por um patamar menor. Se até a Itaúsa só gosta de comprar bons ativos por um preço justo. Não sou eu para discordar. E desconfie das pessoas que falam para comprar bons ativos por qualquer preço. Sim, preço importa e muito.

Ao final, o montante total envolvido foi de 3,5 bilhões de reais. O valor pago na transação será de R$ 14,25 por ação ordinária e R$ 11,40 por ação preferencial de ALPA. Ou seja, pelo preço de mercado, se deu bem quem tinha as ações ordinárias e ruim para quem tinha as preferenciais.

Mas não importa, pois quem tinha as ações da Alpargatas se deu bem. Saiu de um controlador duvidoso, para um controlador consolidado e de boa governança.

Melhor ainda então, para quem é acionista de Itaúsa, que além de ser controladora do Itaú, agora, também é indiretamente de Alpargatas – dona das Havaianas e Osklen.

Fica mais evidente que foi por um bom motivo as subscrições de Itaúsa no primeiro semestre de 2017. Como havia dito neste post aqui.

Até que me provem ao contrário, serei sócio de Itaúsa ad eternum




– –